A Forma da Água (The Shape of Water) – Review

A Forma da Água (The Shape of Water) – Review

6 de fevereiro de 2018 2018 Fantasia Reviews de Séries e Filmes Romance 0

 

A Forma da Água

Elenco: Sally Hawkins, Doug Jones, Octavia Spencer, Michael Shannon
Gênero: Romance/Fantasia
Direção e Roteiro: Guillhermo Del Toro

Sinopse: Uma história de amor num mundo mágico e misterioso na América em 1963. Elisa é uma zeladora muda que trabalha em um laboratório onde um homem anfíbio está sendo mantido em cativeiro. Quando Elisa se apaixona pela criatura, ela elabora um plano para ajudá-lo a escapar com a ajuda de seu vizinho. O mundo exterior do laboratório, no entanto, pode revelar-se mais perigoso para o homem anfíbio do que Elisa poderia ter previsto.

 

De início posso dizer que gostei bastante da fotografia que mantém o filme em um tom um pouco esverdeado (ou azulado?) que remete justamente a água. E que ajuda bastante a contar a história.
Não é todo mundo que conseguirá apreciar a beleza de The Shape Of Water, que vai um pouco além da simples história de amor. O filme também passa uma mensagem boa sobre aceitação do próximo.

Elisa é muda e por causa disso acaba sofrendo certos preconceitos (e não precisa ter nada explícito no filme para sabermos disso certo?) e acaba se sentindo bastante solitária, isolada justamente por não conhecer ninguém que seja exatamente igual a ela.
Giles é homossexual e assim como Elisa também se sente meio perdido nesse mundo, principamente nos anos 60 quando a homofobia falava aos berros.
Zelda, uma mulher negra em uma época extremamente racista.

Todos os três personagens passam uma imagem rápida de seres invisíveis no filme. Mas eles, no caso, são os verdadeiros protagonistas.

No primeiros 30 minutos Elisa tem o contato com a ‘criatura’ do filme. Um homem anfíbio que foi encontrado na floresta amazônica (acredito que seja na parte do Brasil) e é mantido em cativeiro em um laboratório. A tal criatura é fruto de interesse dos russos e dos americanos (aquela treta pesada que teve sabem) e creio eu que ambos o queriam como uma possível arma então estavam estudando tudo a respeito dele.
O responsável pela criatura é o Coronel Strickland, um homem nada amigável, bastante preconceituoso em todos os sentidos e que até assedia Elisa justamente por ela ser muda em um certo momento do filme. Só que esse moço simplesmente via o homem peixe como algo repugnante e no início do filme até cheguei a pensar que o tal peixão era um vilão em potencial.

Elisa então começa a se aproximar o peixão, e pela primeira vez se sente compreendida e aceita por ser quem ela é.

“O filme é bom?”

Essa é a pergunta difícil pra mim. A Forma da Água não é um filme ruim mas também não achei ele digno de uma nota máxima. A estética do filme é maravilhosa, as atuações estão muito boas, a maquiagem então nem se fala. O filme peca pelo roteiro. Que ao meu ver foi muito superficial, e por mais que o filme tenha 2 horas de duração eu terminei de assistir com a sensação de que faltava algo a mais.
Talvez mais detalhes da vida da Elisa ou de Giles ou Zelda. Não sei dizer, mas acabei ficando um pouco decepcionada.

Como se eu estivesse comendo uma comida muito boa mas em uma porção minúscula ou com um garfo ruim.

Vale a pena sim dar uma conferida em A Forma da Água nas telonas do cinema mas é preciso uma sensibilidade muito grande para captar de uma maneira mais completa o que Guillermo Del Toro quis passar.

Trailer

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *