Fantástico Poltrona

Pensamentos em desconstrução

Dias Perfeitos – Raphael Montes

Eu não sei como começar esse post.
Posso dizer de início que fazia muito tempo que um livro não me abalava da forma como Dias Perfeitos faz.

É uma história que mostra a maldade pura sem nenhuma justificativa. Apenas é desta forma e pronto. Mas o protagonista psicopata acredita o tempo inteiro que está fazendo tudo o que faz em prol do que ele mesmo diz ser “amor”.

Creio que nunca tinha lido um livro com obsessão como tema e foi um pouco assustador ter isso de forma tão crua em tão poucas páginas. Mas apenas do tema ser bastante pesado e despertar vários gatilhos diferentes, a leitura no geral é simples e bem fluída.

Raphael Montes evita uso de palavras muito complicadas e mostra uma boa pesquisa sobre o que está falando. E isso é maravilhoso, o rapaz realmente tem talento e espero que se destaque mundialmente dentro do gênero.

O maior defeito de Dias Perfeitos talvez seja o seu final. Mas para alguns essa pode ser a principal qualidade. Afinal é inesperado, foge do que gostaríamos que acontecesse e passa uma sensação de engasgo, inquietação e raiva.

Não é um livro que recomendo para qualquer um. Tem narração fria de crueldade, violência e se você não está muito legal da cabeça pode terminar a história com uma sensação super pessimista a respeito do mundo e das pessoas, e pra isso a internet já faz um bom trabalho.

No geral não é ruim, mas poderia ter sido muito melhor. Mais umas 100 páginas e o final, mesmo revoltante, poderia ter sido mais desenvolvido. Acredito que dentro da psicologia um personagem igual Téo seja de profundo interesse. Alguém tão frio, manipulador, egocêntrico que usa de um charme superficial mas que no fundo odeia a todo mundo e vê o mundo de uma maneira distorcida e assustadora. A descrição dos pensamentos do Téo é o que mais assusta. Confesso que fiquei com medinho de Raphael Montes – o moço é talentoso mas narra um pensamento psicopata com uma frieza assustadora – e justamente por isso vou me aventurar nos outros romances do autor. O que será que me aguarda?

Annie Bitencourt

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo